quarta-feira, 24 de maio de 2017

A Radiologia Será Feminina!

O Crescimento da Mulher na Radiologia

mulher radiologia interna
De uma maneira geral a mulher sempre encontrou dificuldades de inserção no mercado de trabalho, desde o fato de ser rotulada como sexo frágil, como passar por períodos menstruais e maternidades, assim como encontrar empregadores machistas e, outros fatores históricos, como a escolaridade feminina que era proibida antes do século XVIII e outros direitos negados a mulheres no passado...

 As mulheres representaram mais da metade da população desempregada e, muitas quando trabalhavam recebiam salários inferiores aos homens quando na mesma função, sofriam discriminação constante por gênero, mulher não podia ser motorista, eletricista, mestre de obras, arquiteta ou engenheira por exemplo. Estas informações parecem ser da época da Ditadura, mas não são, são de apenas uma década atrás, a sociedade brasileira cresceu com poder e cultura machista desde a época de colônia portuguesa, o trabalho para mulheres sempre foi secundário, a mulher tinha de ser contentar com tarefas que se assemelhavam ao cuidado, como serem professoras, enfermeiras, nutricionistas, secretárias, empregadas domésticas ou donas de casa.

História da Mulher na Radiologia

A partir do século XX, principalmente devido a Segunda Guerra Mundial, houve um crescimento acelerado de mulheres no mercado de trabalho, as mulheres possuem competências e habilidades que os homens não possuem, como por exemplo, mais atenção, organização e multidisciplinaridade. Além de, ainda fruto da cultura machista, terem de ser obrigadas a estudar mais que os homens, já que os homens iniciavam primeiro a vida profissional, deixando a escola de lado enquanto as mulheres eram obrigadas pelos pais a continuar estudando. Com isto, até hoje, o número de mulheres com ensino superior é maior que de homens, conforme dado do IBGE.

A Profissão das Técnicas Radiológicas surgiu ainda no século XX, sendo regulamentada somente em 1985, mas antes disto a mulher já estava presente na categoria. Em meados da década de 2000, com o aumento das televisões e computadores com internet nas casas, a população passou a conhecer melhor a doença mais temida de todos, o Câncer. O câncer assombrava e assombra qualquer um, entretanto, o Câncer de Mama, sendo o mais comum entre as mulheres e o mais mortal também, tinha um “inimigo” que atraiu a atenção de muitas mulheres: a Mamografia. A Mamografia é um exame que diagnostica tumores na mama no início do seu surgimento, de modo a melhorar a estatística de cura de pacientes, sendo assim importante para qualquer clínica e a pergunta: Quem realiza este exame? A profissional mulher das técnicas radiológicas.

A Radiologia, conhecida pelos seus anúncios de cursos como o emprego dos sonhos, se ganha muito, trabalha pouco e se aposenta cedo e, a possibilidade de trabalhar em diversas modalidades, radiologia convencional, tomografia computadorizada, ressonância magnética, radioterapia e tendo a mamografia como uma “área exclusiva” para mulheres, aumentou ainda mais o número de mulheres na profissão.

Expectativa de Crescimento da Mulher na Radiologia

Atualmente, de acordo com estudo apresentado na III JBR no Rio de Janeiro, o percentual de mulheres estudantes de Cursos Técnicos de Radiologia é de 60% enquanto de estudantes de Cursos Tecnológicos de Radiologia de 72%, ou seja, as mulheres já estão presentes na área e ainda é maioria nos cursos de radiologia, com isto a perspectiva da Radiologia se tornar cada vez mais feminina é alta.

Em resumo, a mulher estuda mais e possui habilidades e competências que agradam os empregadores, não é para haver preconceito quanto à contratação de mulheres na radiologia, estamos no século XXI e elas estão além de tudo assumindo cargos de gestão e empreendedorismo, pela maior facilidade de comunicação, competividade e conseguirem realizar inúmeras tarefas ao mesmo tempo, seja na supervisão de clínicas e hospitais, coordenação e direção de cursos, cargos políticos entre outros.

E como homem, me basta esperar que não exista preconceito delas contratarem homens para a Radiologia.

 Fonte:Tecnólogo em Radiologia,
 Professor de Radiologia, Desenvolvedor do Aplicativo MamografiApp,
 Pesquisador, Palestrante e Apaixonado pela Radiologia.
Postar um comentário

Recado