sexta-feira, 21 de julho de 2017

Justiça do Rio multa Facebook por não oferecer informações sobre o jogo Baleia Azul

Serviços da rede social podem ser temporariamente suspensos, segundo delegada da DRCI

A pedido da DRCI, Justiça estabeleceu multa diária ao Facebook por não cooperar com informações sobre o jogo Baleia Azul - Fabiano Rocha / Agência O Globo




RIO - Um dia após a Polícia Civil do Rio prender em Nova Iguaçu Matheus Moura da Silva, jovem de 23 anos, que fez pelo menos 30 vítimas por meio do jogo Baleia Azul, a Justiça do Rio de Janeiro determinou a aplicação de multa diária ao Facebook por descumprimento de uma decisão judicial que estabelecia a rede social oferecesse informações para ajudar na identificação de suspeitos de cooptar mais pessoas para o game, que consiste numa série de missões que vão desde a autoflagelação até o suicídio...


Em entrevista ao portal de notícias G1, a delegada assistente da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), Fernanda Fernandes, disse que as multas diárias também atingem a direção da rede social no Brasil, e que, somados, os valores das punições podem chegar a R$ 2 milhões.

Ainda de acordo com a delegada, os serviços da rede social no Brasil podem ser até mesmo temporariamente suspensos. Segundo o G1, porém, a informação é negada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

Fernanda Fernandes esclareceu que, há cerca de um mês, a Justiça do Rio atendeu ao pedido da DRCI e estabeleceu uma multa diária de R$ 150 mil ao Facebook caso a rede social não cooperasse com informações sobre o jogo. Devido o descumprimento da ordem, segundo a delegada, a multa diária subiu para R$ 300 na semana passada.

ESTRANGEIROS ALICIAM BRASILEIROS

Nesta terça-feira, após a deflagração da Operação Aquarius, os agentes da DRCI scobriram que estrangeiros aliciam brasileiros para participarem do jogo conhecido como Baleia Azul. Até agora, apenas um dessas pessoas — conhecidas como curadores — foi localizada: ela mora em Angola.


Os policiais descobriram os curadores por meio do IP, uma espécie de endereço eletrônico que todo computador tem. O Facebook confirmou que um dos IPs corresponde a um usuário de Angola, mas não revelou a identidade dele. Esse curador utilizava o codinome "Peixe Nove".

Os responsáveis pela investigação identificaram curadores em 20 municípios, distribuídos em 20 estados. Foram realizados 24 mandados de busca e apreensão e um de prisão preventiva. Durante a operação, um adolescente, de 15 anos, foi preso em flagrante, porque policiais encontraram material que continha pedofilia em seu computador.

Na prisão de Matheus Moura da Silva, na última terça-feira, o jovem revelou que iniciou o jogo como uma das vítimas, mas que, com o passar do tempo. Posteriormente, foi promovido a curador e começou a cooptar novas vítimas.

Fonte:O globo

Postar um comentário

Recado