segunda-feira, 24 de julho de 2017

Empreendedor fatura organizando feira livre dentro de condomínios

Ele fatura com a cobrança de taxa de cada feirante.
Moradores adoram a comodidade.

Foto de divulgação


Uma feira livre por encomenda foi a ideia de um empresário do ramo de alimentação: ele leva as barracas de frutas, legumes e verduras para dentro dos condomínios. O empreendedor fatura com a cobrança de uma taxa de cada feirante e os moradores adoram a comodidade...


A proposta é a mesma de uma feira de rua. Tem também massa fresca, caldo de cana e até pastel frito na hora. A iniciativa foi de Rafael Silva que sempre foi feirante e também vendeu massa de porta em porta, por mais de 20 anos. Um dia, participou de um evento em um prédio e viu ali uma oportunidade de negócio. “Foi uma feirinha de artesanato, eu consegui expor os nossos produtos e foi sucesso. Em pouco tempo de feira, acabou tudo. Aí eu consegui com o síndico para ir mais algumas vezes, até conseguir levar uma pessoa com hortifrúti. Fomos agregando mais parceiros e começamos a montar a feira toda”, conta.

Já são nove anos montando feiras em 58 condomínios na Grande São Paulo e também em algumas cidades do interior. O faturamento vem da taxa cobrada de cada feirante participante, que varia de R$ 40 a R$ 80 reais. O dinheiro é usado para cobrir custos com divulgação, uniformes, parte de contrato e algumas taxas que são pagas pelo condomínio. Ele fatura entre R$ 10 mil e R$ 15 mil por mês.

No começo, montar a feira nos condomínios não foi fácil, mas depois a negociação com os síndicos foi evoluindo e o boca a boca também ajudou muito. “Esses condomínios-clube estão instalados em áreas remotas, não tem comércio próximo e a gente acaba trazendo essas empresas para dentro do condomínio para ter qualidade, preço e tudo o mais”, afirma o síndico Leandro Massari.

Para os feirantes que participam, além da segurança, é mais uma chance de aumentar o faturamento. “Dá uma renda a mais de mais ou menos 40%”, comemora o feirante Henrique de Araujo.

Ederaldo Oliveira deixou o emprego de metalúrgico para vender caldo de cana e agora está investindo também nas feiras em condomínios: “Eu tenho duas barraquinhas, uma eu cuido e outra minha esposa faz. Eu tenho esse movimento de 10 feiras por semana. É uma grande oportunidade para nós”.

As feiras acontecem uma vez por semana em cada condomínio, em datas decididas pelos síndicos e moradores. Rafael fatura com a organização e com uma barraca de massa em cada uma. Ele investiu R$ 70 mil no negócio.

As feiras sempre funcionam das 17h até as 21h, justamente para facilitar a vida dos moradores, que estão chegando do trabalho. “A gente tem que acompanhar o mercado. O mercado vem e a gente tem que acompanhar o crescimento junto com ele, senão a gente fica pra trás”, conclui o idealizador da ideia.

Paula MonteiroBarueri, SP
Postar um comentário

Recado