quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Após optar por homem na chefia, ONU lança Mulher-Maravilha embaixadora

Empoderamento
A super-heroína Mulher-Maravilha foi escolhida pelas Nações Unidas como sua embaixadora honorária para "o empoderamento de mulheres e meninas". Apesar da popularidade desse personagem, um dos ícones dos quadrinhos americanos, o anúncio foi recebido com algum azedume durante a quinta-feira (13)... O jornal americano "New York Times", por exemplo, traçou um paralelo entre a escolha da Mulher-Maravilha para "mascote" enquanto a ONU nomeou o ex-premiê português António Guterres para ser seu secretário-geral. Guterres irá substituir o atual líder Ban Ki-moon por um mandato de cinco anos.
 
 A candidatura de Guterres derrotou sete mulheres para a liderança da organização justamente quando há apelo por uma chefia feminina. Para seus críticos, a ONU deveria dar o exemplo na luta pela igualdade de gêneros. Essa é, aliás, uma das missões para o mandato futuro do ex-premiê português. O combate em nome das "mulheres e meninas" é necessário também dentro desse próprio organismo. A ONU é alvo, por exemplo, de acusações de abuso sexual cometido por membros de suas missões de paz. 
 
Há também críticas à baixa participação de mulheres no alto escalão da organização. A tarefa coube, por ora, a um personagem de revistinhas que completa agora seus 75 anos de idade, mais velha portanto do que as próprias Nações Unidas. Enquanto Guterres se une ao clube de Ban Ki-moon, Kofi Annan e Boutros Boutros-Ghali, a Mulher-Maravilha será parte do time de embaixadores rabiscados que já contou com o Ursinho Pooh e a Sininho do Peter Pan. Sua imagem será utilizada nas redes sociais em mensagens de igualdade de gênero.
 
GUERREIRA A amazona Diana, identidade da Mulher-Maravilha, é um dos principais personagens da DC Comics, a editora que publica também os gibis do Batman e do Superman. Ela ganhará seu próprio filme em 2017, uma das apostas do mercado de ação.
 
A personagem criada por William Moulton Marston é uma guerreira que, entre outros poderes, empunha um laço da verdade. Com a guinada no universo DC trazida por George Pérez nos anos 1980, a guerreira tornou-se embaixadora das amazonas no mundo dos homens. Ela passou, dessa maneira, a representar não apenas a força mas também a importância do diálogo e da negociação, caros à ONU. 
 
O mercado das histórias em quadrinhos tem se aproximado das mulheres nos últimos anos com diversas estratégias, incluindo a recente ação conjunta com a ONU. O anúncio da promoção da Mulher-Maravilha foi feito dias após a Marvel, editora rival da DC, publicar uma história em quadrinhos sobre uma mãe na cidade síria de Madaya, cercada pelo Exército sírio há mais de um ano. A iniciativa da Marvel, porém, foi bem-recebida ao dar voz a uma vítima anônima da guerra na Síria, que já deixou quase 500 mil mortos desde março de 2011. 
 
Fonte: Folha de São Paulo
Postar um comentário

Recado