sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Loja da Daslu do shopping JK Iguatemi recebe ordem de despejo

Shopping entrou na Justiça para a loja quitar dívidas de aluguel.
Marca cita 'baixo fluxo' do shopping e diz que abrirá uma nova loja em SP

Marca cita 'baixo fluxo' no JK Iguatemi e diz que abrirá uma nova loja em SP. (Foto: Reprodução/Facebook/Daslu)
A Justiça determinou o despejo da loja da Daslu do shoppinj JK Iguatemi por falta de pagamento de aluguel e multas contratuais. A ordem de despejo foi determinada na segunda-feira (17) pelo juiz Rogério Marrone de Castro Sampaio, da 27ª Vara Cível de São Paulo. Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, o mandado já foi distribuído para ser cumprida a sentença...
Procurado pelo G1, o grupo Iguatemi informou que "não comenta relações comerciais com os lojistas".

Já a Daslu disse, em comunicado, que a saída da loja da grife do JK Iguatemi se deve à "irredutibilidade do shopping nas negociações e baixo fluxo do mesmo", destacando que outras lojas do shopping também estão sendo alvo de ações de despejo.

"Em breve, a marca apresentará uma nova loja em São Paulo", informou a Daslu. "As demais lojas seguem a todo vapor, concentrando, normalmente, as novidades da marca para o Alto Verão 2017 e sendo palco de todos os lançamentos da grife, tão querida pelas brasileiras", continua o comunicado.

Outras lojas pelo país
 
A Daslu possui lojas em funcionamento em São Paulo (Shopping Cidade Jardim), Rio de Janeiro (Fashion Mall) e Ribeirão Preto (Iguatemi Ribeirão Preto).

"Com 59 anos de história, a Daslu está sempre em movimento, atravessou gerações e continua no coração das clientes. As dasluzetes são exemplos disso, prova de que a marca  acompanha as tendências de moda, sempre de forma ousada e criativa", acrescentou.

As informações disponibilizadas pela Justiça sobre o processo não citam o valor da dívida da Daslu com o JK Iguatemi, mas informa que o valor da ação é de R$ 2,548 milhões.
. Segundo o Tribunal de Justiça, o despejo foi determinado após descumprimento de acordo por parte da Daslu e solicitação da execução pelo shopping.

Modernização apaga neoclássico e cria novo prédio na antiga Daslu: veja antes e depois (Foto: Sérgio Castro/ Estadão Conteúdo/Márcio Pinho/G1)
Referência de luxo
 
Antes de virar referência de luxo, a Daslu foi uma loja "caseira". A butique começou a nascer em 1958. Lucia de Albuquerque e sua sócia Lourdes Aranha atendiam as amigas em uma casa. A ideia se expandiu e a estrutura passou a ocupar um conjunto de casas na Vila Nova Conceição, na Zona Sul de São Paulo.


Com o falecimento de Lucia, sua filha, Eliana Tranchesi assumiu o negócio. Em 2005, foi inaugurada a loja da Marginal Pinheiros, tida como a “Meca dos Estilistas”.

Poucos anos depois, a butique deixou de ser assunto só no campo da moda e passou a ocupar também as páginas policiais. Eliana Tranchesi foi condenada em primeira instância por fraude em importações e falsificação de documentos, após uma investigação da Polícia Federal. Ela chegou a ficar presa logo após o julgamento, mas foi solta por meio de um habeas corpus.

Em fevereiro de 2011, os credores da Daslu aprovaram um plano de recuperação judicial que previa a venda da empresa. A butique de luxo foi vendida ao Fundo Laep.

Um ano depois, Eliana Tranchesi morreu. Ela passava por um tratamento contra câncer de pulmão desde 2006.

O prédio neoclássico e imponente erguido pela Daslu na Marginal Pinheiros, e que estava desocupado desde 2012, passou por um retrofit para ser reinaugurado como um novo espaço para escritórios e o Teatro Santander.

Prédio erguido pela Daslu na Marginal Pinheiros foi parcialmente demolido para construção de edifício comercial e teatro (Foto: Letícia Macedo  
Fonte: G1
Postar um comentário

Recado